• lsi
  • poli usp
  • usp

Press releases

2009

  • 14/03/2017
    Jovens cientistas apresentam soluções criativas para combater o Aedes aegypti
    • Um microprocessador que detecta a presença de larvas do Aedes aegypti na água parada; um pó que vira gel e impede o desenvolvimento das larvas; e uma roupa com repelente para espantar os mosquitos. Essas são algumas das soluções criativas que serão apresentadas por jovens cientistas na 15ª Edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (FEBRACE). O evento acontece de 21 a 23 de março, nas dependências da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), em São Paulo. Confira abaixo, os detalhes desses projetos.

      Detector de larvas – A estudante Isabela Dadda dos Reis, do campus de Osório (RS) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, utilizou o microprocessador Arduíno para projetar um sensor que detecta quando ovos de Aedes aegypti se transformam em larva. Com uso de GPS e de conexão com internet sem fio acoplado ao microprocessador, é possível localizar onde estão as larvas. “Ao eclodir, o ovo libera íons na água, detectados pelo sensor por meio de condutividade”, explica a professora Flávia Santos Twardowski Pinto, orientadora da pesquisa. A tecnologia pretende auxiliar no combate ao mosquito, ‘informatizando’ a procura dos focos de Aedes, já que, hoje, a detecção dos mesmos pelos agentes de saúde é feita visualmente, a olho nu.

      Gel para pratos de vasos – Nas casas de jardinagem, é comum encontrar um pó que, misturado à terra do vaso, mantém a umidade dela por mais tempo. As estudantes Cindy Maureen Rossoni Honjo e Júlia Beatriz Vaz de Oliveira, da Escola Positivo de Curitiba (PR), descobriram que esse mesmo pó é um ótimo produto para prevenir a proliferação do Aedes aegypti nos pratinhos dos vasos. Basta recobrir o pratinho com o pó, cuja fórmula contém poliacrilato de sódio – um polímero biodeogradável que em contato com a água se transforma em gel. Com uma quantidade bem pequena do pó já é possível impedir a formação das larvas. Cerca de 10 minutos depois da aplicação, as larvas ficam imobilizadas no gel. Não conseguem ir para a superfície respirar, e acabam morrendo asfixiadas. O gel não tem cheiro, é transparente e quando perde a umidade vira pó. Custa cerca de R$ 25,00 o pote com 250 g.

      Roupa repelente – Isolar e inserir o princípio ativo de repelentes de mosquito nos amaciantes de roupa. Essa é a proposta dos alunos Filipe Fernandes, Luana Engelmann e Maria Eduarda Muraro, do Senai de Joinville (SC), para ajudar a diminuir o número de casos de doenças relacionados à picada do Aedes aegypti. Os estudantes inseriram o princípio ativo (o IR 3535) em um amaciante, usando a mesma dosagem utilizada nos repelentes, e lavaram peças de roupa com o composto. Em um cercado protegido por telas, colocaram os mosquitos em contato com as peças lavadas com o amaciante modificado e com as que não passaram pela lavagem. Os mosquitos procuraram se afastar das peças com o amaciante alterado, mostrando o potencial repelente da solução. Também fizeram testes de contato com a pele e constataram que não provoca alergia.

      Serviço: A mostra pública de projetos da FEBRACE 2017 será realizada entre 21 a 23 de março. Estará aberta ao público em geral, das 14h às 19h, em uma tenda instalada no estacionamento da Escola Politécnica da USP (Av. Prof. Luciano Gualberto, nº 3, travessa 3, Cidade Universitária). A entrada é franca. Mais informações: www.febrace.org.br

      Atenção: no dia 21/03, das 9 às 12 horas, os jornalistas terão acesso exclusivo à tenda do evento para que possam conduzir suas reportagens com mais calma. Assessores de imprensa estarão à disposição para ajudá-los durante o evento.


      Sobre a FEBRACE: Promovida anualmente pela Poli-USP, por meio do Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI), a FEBRACE é a maior feira brasileira pré-universitária de Ciências e Engenharia em abrangência, qualidade científica/tecnológica e visibilidade. Seu objetivo é estimular a cultura científica, a inovação e o empreendedorismo na educação básica, despertando novas vocações nessas áreas e induzindo práticas pedagógicas inovadoras nas escolas. Nesta edição, serão apresentados 346 projetos desenvolvidos por 763 estudantes do ensino médio e técnico de todos os estados brasileiros. Eles foram selecionados entre mais de 2,1 mil projetos, submetidos diretamente pelos estudantes ou por meio das 126 feiras afiliadas. Os estudantes melhor avaliados ganharão troféus, medalhas, bolsas e estágios, num total aproximado de 300 prêmios. Também concorrerão a 70 bolsas de Iniciação Científica Junior do CNPq e a uma das vagas (9 projetos, máx. 15 estudantes) para representar o Brasil na Feira Internacional de Ciências e Engenharia da Intel (Intel ISEF), que será realizada em maio, em Los Angeles (EUA).

      Atendimento à imprensa: Acadêmica Agência de Comunicação Érika Coradin Telefones: (11) 5549-1863 / 5081-5237. erika@academica.jor.br

  • 14/03/2017
    Soluções high tech para um mundo hiper conectado
    • Na 15ª edição da FEBRACE, a maior feira de Ciências e Engenharia do país, dispositivos que facilitam o dia a dia de quem vive conectado são destaque.

      Uma mostra do que os jovens cientistas e inventores do Brasil são capazes de fazer pode ser conferida na 15ª edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (FEBRACE), que acontece de 21 a 23 de março, nas dependências da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), em São Paulo. Entre as invenções, muita criatividade e propostas de tecnologias para resolver problemas de um mundo hiper conectado. Confira abaixo alguns dos destaques:

      Rastreador de bagagem – Gabriela Pittela e Vitória Gabriela Nunes, estudantes do Colégio Luterano Arthur Konrath, de Estância Velha (RS), criaram a Baglink, uma tecnologia capaz de rastrear a bagagem e alertar seu dono quando alguém a abrir. O dispositivo é uma adaptação dos rastreadores veiculares convencionais e é acoplado a uma placa de pressão, que emite sinais quando a mala ou mochila é violada. Ao receber os sinais, o rastreador, que possui um chip telefônico, envia uma SMS ao celular cadastrado no sistema. Ele ainda informa, por meio do GPS da plataforma Google Maps, a localização da bagagem e o horário em que a mesma foi aberta. Durante a viagem, o usuário também pode conferir a localização da bagagem a qualquer momento.

      Bicicleta com “olhos” – Os alunos Inoã Allen e Kesse Teixeira Matias, da Escola Estadual Ministro Jarbas Passarinho, de Camaragibe (PE), criaram uma bicicleta “inteligente” com o objetivo de alertar o ciclista sempre que houver veículos próximos. A bicicleta possui sensores que funcionam como “olhos”. Acoplados à bicicleta, os sensores detectam a presença de veículos e enviam as informações por um microcontrolador, que acende luzes verdes, amarelas e vermelhas para alertar o ciclista. Vermelha significa que o veículo está a dois metros de distância; amarela, três metros, e verde, cinco metros. O sistema também conta com pisca alerta que pode ser acionado pelo ciclista sempre que ele quiser virar à esquerda ou à direita. O grupo levará o protótipo para demonstração.

      Indicador de hiperexposição – Teu filho não sai da internet? E você não sabe até que ponto isso é saudável? Os estudantes Camila Oliveira de Carvalho e Paulo Miranda e Silva Sousa, do Centro Federal de Educação Média e Tecnológica, da cidade de Floriano (PI), desenvolveram um aplicativo, batizado de “Indicador de Hiperexposição”, que pode dar essa resposta. O aplicativo mede e aponta o nível de exposição do usuário nas redes sociais. Já disponível na plataforma Android, na Playstore, ele utiliza um questionário com perguntas simples para fazer um diagnóstico da exposição e apontar em que nível isso acontece, por meio de um método de porcentagem. O aplicativo permite ainda que sejam criados grupos de pesquisas pelo qual um diretor de uma escola, por exemplo, pode avaliar como anda a exposição de seus alunos nas redes sociais.

      Cerca eletrônica – Criança quando aprende a andar vai para todo canto. Pensando na segurança delas, o estudante Antonio Luis de Meneses Soares, da Escola Estadual 11 de Agosto, de Umarizal (RN), desenvolveu um tapete com uma placa sensorial que emite um sinal sonoro quando é pisada. A ideia é colocá-lo em locais estratégicos, como na entrada da cozinha ou perto de escadas. A placa sensorial foi produzida com latinhas de alumínio reutilizadas, que produzem sinais elétricos e os enviam a uma campainha sem fio. O aviso sonoro pode ser escutado em até oito metros de distância.

      Detector de Aedes Aegypti – A estudante Isabela Dadda dos Reis, do campus de Osório (RS) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, utilizou o microprocessador Arduíno para projetar um sensor que detecta quando ovos de Aedes Aegypti se transformam em larva. Com uso de GPS e de conexão com internet sem fio acoplado ao microprocessador, é possível localizar onde estão as larvas. “Ao eclodir, o ovo libera íons na água, detectados pelo sensor por meio de condutividade”, explica a professora Flávia Santos Twardowski Pinto, orientadora da pesquisa. A tecnologia pretende auxiliar no combate ao mosquito, ‘informatizando’ a procura dos focos de Aedes, já que, hoje, a detecção dos mesmos pelos agentes de saúde é feita visualmente, a olho nu.

      Regador automático – Que tal economizar água da rega das plantas com um sistema automatizado? Os estudantes Gustavo Roberto Araújo, Hugo Ferreira Montovani e Fabrício Dias Marçal Barbosa, do campus Uberlândia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro, desenvolveram um regador automático que utiliza um microprocessador Arduíno e sensores para monitor a umidade do solo. Orientado com dados programados sobre a quantidade de água necessária para manter o solo úmido, o equipamento sabe se é preciso ou não ligar o dispositivo que vai liberar a água para irrigação. O sistema pode, ainda, ser controlado por um aplicativo pela internet. Segundo o grupo, a tecnologia pode ser usada tanto em fazendas como em pequenas hortas e jardins residenciais.

      Wattsapp – A conta de luz dobrou de valor e você não sabe por quê? Isso pode ser causado por pontos de fuga de energia, devido a fiação velha ou inadequada. Para resolver esse problema, Paulo Eduardo da Silva Gomes e Gabriel Jonathan Wilbert, alunos da Escola Estadual Viriato Bandeira, de Coxim (MS), desenvolveram o Wattsapp, dispositivo que identifica a quantidade de perda na rede elétrica domiciliar e informa o consumidor por meio de um aplicativo de celular. O usuário conecta a ferramenta em alguma tomada da sua casa e esta indica a quantidade de quilowatts/hora. Se houver perda de energia, o aplicativo alerta o usuário. Ainda é possível, com ele, calcular o prejuízo que esse desperdício gerará mensalmente.

      Serviço: A mostra pública de projetos da FEBRACE 2017 será realizada entre 21 a 23 de março. Estará aberta ao público em geral, das 14h às 19h, em uma tenda instalada no estacionamento da Escola Politécnica da USP (Av. Prof. Luciano Gualberto, nº 3, travessa 3, Cidade Universitária). A entrada é franca. Mais informações: www.febrace.org.br.

      Atenção: no dia 21/03, das 9 às 12 horas, os jornalistas terão acesso exclusivo à tenda do evento para que possam conduzir suas reportagens com mais calma. Assessores de imprensa estarão à disposição para ajudá-los durante o evento.


      Sobre a FEBRACE: Promovida anualmente pela Poli-USP, por meio do Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI), a FEBRACE é a maior feira brasileira pré-universitária de Ciências e Engenharia em abrangência, qualidade científica/tecnológica e visibilidade. Seu objetivo é estimular a cultura científica, a inovação e o empreendedorismo na educação básica, despertando novas vocações nessas áreas e induzindo práticas pedagógicas inovadoras nas escolas. Nesta edição, serão apresentados 346 projetos desenvolvidos por 763 estudantes do ensino médio e técnico de todos os estados brasileiros. Eles foram selecionados entre mais de 2,1 mil projetos, submetidos diretamente pelos estudantes ou por meio das 126 feiras afiliadas. Os estudantes melhor avaliados ganharão troféus, medalhas, bolsas e estágios, num total aproximado de 300 prêmios. Também concorrerão a 70 bolsas de Iniciação Científica Junior do CNPq e a uma das vagas (9 projetos, máx. 15 estudantes) para representar o Brasil na Feira Internacional de Ciências e Engenharia da Intel (Intel ISEF), que será realizada em maio, em Los Angeles (EUA).

      Atendimento à imprensa: Acadêmica Agência de Comunicação Érika Coradin Telefones: (11) 5549-1863 / 5081-5237. erika@academica.jor.br

  • 14/03/2017
    Projetos de jovens cientistas e inventores revelam suas preocupações
    • Maior parte dos projetos de Ciências e Engenharia que estarão em exposição na FEBRACE 2017 é focada em sustentabilidade e saúde.

      Uma vida sustentável, mais natural e com saúde. Essas são, em linha gerais, as principais preocupações dos jovens cientistas e inventores que participarão da próxima Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (FEBRACE), que acontece de 21 a 23 de março nas dependências da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), em São Paulo. Dos 346 projetos realizados por jovens do ensino médio e técnico, 101 (29%) propõem soluções sustentáveis ou ecologicamente corretas para problemas diversos e 80 (23%) procuram respostas alternativas para problemas de saúde e limitações físicas.

      “Em uma boa medida, a FEBRACE é um espelho das preocupações que movem os jovens cientistas brasileiros. Os 346 projetos finalistas foram selecionados entre milhares feitos por estudantes de todos os estados brasileiros e que se inscreveram nas 126 feiras afiliadas. É uma boa amostra das linhas de pesquisa de interesse deles”, afirma a coordenadora geral do evento, Roseli de Deus Lopes, professora da Poli-USP. Veja abaixo alguns destaques dos projetos nessas linhas:

      Fábrica caseira de sabão – Quem já tentou fabricar sabão com óleo usado de cozinha sabe o trabalhão que dá. Muitos desistem e acabam voltando a descartar o óleo no ralo da pia, mesmo sabendo que ele polui os mananciais de água. Para estimular essa turma, Valentina de Ávila Gomes Carneiro Dutra Câmara, Lorenza de Ávila Gomes Carneiro Dutra Câmara e Mariana Campos de Melo, estudantes do Centro de Educação Angher em Barbacena (MG), desenvolveram uma tecnologia que automatiza a produção doméstica de sabão. O funcionamento do dispositivo ocorre por meio de uma bateria que utiliza a energia gerada de uma fonte de água corrente (pode ser a pia da cozinha de uma dona de casa, por exemplo) para alimentar um motor, cuja função é misturar o óleo usado com soda cáustica continuamente. Um timer indica quando a solução está pronta, e esta é colocada em um recipiente com o formato do sabão para esfriar.

      É orgânico ou não é? – Após assistir a uma reportagem que mostrava comerciantes vendendo hortaliças com agrotóxicos como se fossem orgânicos, os estudantes Matheus Thim, Maria Fernanda Baumann e Gabriel Eduardo da Silva, do Colégio Estadual Pio XII, em Maripá (PR), resolveram pesquisar os métodos de identificação de agrotóxicos em hortaliças. De cara, descobriram que isso costuma ser feito por meio de uma técnica cara e em laboratórios. Acabaram desenvolvendo uma fita que, ao ser colocada em contato com a hortaliça, muda de cor quando houver resíduos de agrotóxicos. Um teste simples e barato, que pode ser feito no ato da compra pelo consumidor.

      Nanotecnologia em repelente – Uma alternativa aos repelentes sintéticos que possuem compostos tóxicos e podem causar irritações cutâneas, intoxicações e até problemas cardiovasculares, está sendo proposta pelos estudantes Paloma Domingues de Castro Grimaldi e Bruno Scheffler Monteiro, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (RJ). Eles criaram um repelente natural produzido do óleo de copaíba, extraído da copaibeira, uma árvore de grande porte encontrada principalmente na Floresta Amazônica. O diferencial está na tecnologia empregada. O óleo, por ser essencial, evapora muito rapidamente na atmosfera (de três a 20 minutos), e, por isso, a equipe teve que procurar uma solução de boa penetração e durabilidade na pele. Utilizando a nanotecnologia, o grupo foi capaz de encapsular o óleo e evitar e evaporação rápida, criando uma nano emulsão com fases oleosa e aquosa que se dissolvem entre si.

      Otimizando a reciclagem – Quem não possui coleta seletiva de lixo em sua cidade, não tem mais desculpa para não contribuir com a reciclagem de lixo. Os estudantes Wesley de Oliveira Santos e Bruno Rodrigues, da Escola Estadual Professora Adelaide Maria de Barros, de Mogi das Cruzes (SP), desenvolveram um aplicativo para gerenciamento de resíduos domésticos. É ideal para condomínios, escolas e empresas trocarem informações entre si ou com cooperativas de reciclagem sobre a disponibilidade de material reaproveitável. O aplicativo funciona em sistema Android e nele estão as informações necessárias para os interessados: tipo de material, quantidade e local onde está armazenado. O aplicativo já foi testado na escola dos estudantes.

      Sachê purificador de água – As estudantes Djenifer Karalayne Izo Silvério, Ana Paula Agostini e Gabrielle Caroline Regueira, do Senai de Joinville (SC), criaram um sachê que trata rapidamente a água, corrigindo seu pH e eliminando impurezas. O sachê contém compostos químicos, na forma de pó, e vem embalado em saquinhos. Para cada litro d’água que se quer purificar, basta adicionar o conteúdo do sachê na água. Em poucos minutos, o pó se une às impurezas e as leva para o fundo da vasilha por meio de decantação. As impurezas são facilmente removidas, bastando usar filtro de coar café ou um tecido limpo. “Fizemos mais de 10 tipos de ensaios utilizando a água de um rio próximo da escola para verificar a eficácia do composto e constatamos que ele elimina a presença de amônia, cloretos, coliformes fecais, entre outros, sem prejudicar a saúde humana”, afirma o orientador do grupo, professor Fabrício Borges.

      Rampa móvel para cadeirante – Ao constataram as condições precárias de acessibilidade na cidade Saripanga (RS), três estudantes, Luana Gabriel Boes, Eduarda dos Reis e Lucas Eduardo Reichert, da Escola Municipal de Ensino Fundamental La Salle, decidiram projetar uma rampa móvel portátil para ajudar cadeirantes. Feita de alumínio e com superfície antiderrapante, a rampa tem duas alças de acesso com 13 centímetros de largura e 65 centímetros de cumprimento, pesa 2,3 quilos e foi desenhada para declives com até 22 centímetros de altura, justamente o intervalo de declividade mais encontrado pelos estudantes em sua pesquisa. “Qualquer pessoa pode montar e desmontar a rampa, uma operação simples e que demora menos de um minuto”, destaca Luana. Os estudantes também projetaram uma bolsa de transporte para a rampa. O custo estimado da rampa é de R$ 200,00, no máximo.

      Farinha de jenipapo contra anemia – Fruto da árvore jenipapeiro, o jenipapo contém alto teor de ferro – um sal mineral muito necessário para a população da cidade de Lagoa da Canoa (AL), onde moram os estudantes da Escola Estadual Nossa Senhora da Conceição, William Vítor Pinheiro dos Santos Melo e Mayane Maria da Silva Teles. A cidade tem uma grande incidência da anemia ferropriva, doença que em geral é causada pela falta de ferro na alimentação. Para ajudar a reverter este quadro, eles pesquisaram meios de fazer uma farinha de jenipapo que pudesse ser ministrada aos pacientes. No final, obtiveram a farinha desidratando o fruto em estufa num processo rápido, que leva uma hora, no máximo. A farinha precisa ser misturada em suco para ser consumida. Deve ser consumida duas vezes ao dia pelos pacientes, por um mês ou mais, dependendo da gravidade da doença. São três gramas de farinha – ou uma colher de chá – para 200 ml de suco – o equivalente a um copo americano.

      Óleos essenciais contra raios UV – Sthefany Alune Dutra Silva, do Centro de Ensino Médio 02 do Gama, de Brasília (DF), extraiu e estudou óleos essenciais de quase 15 espécies de plantas do Cerrado brasileiro na busca por compostos naturais que pudessem proteger a pele dos raios ultravioleta do sol. “Observei um ipê amarelo que temos aqui, e notei que a planta sempre está muito exposta ao Sol, mas mantém a beleza e vigor. Então imaginei que ela contém algum mecanismo de proteção aos raios e fui pesquisar que mecanismo poderia ser esse”, lembra. Usando um espectrofotômetro da Universidade Federal de Brasília (UnB), ela avaliou o poder de absorção de raios UVA, UVB e UVC dos óleos essenciais do ipê e de plantas como guariroba e pata de vaca, entre outras, numa pesquisa que mostra o potencial desses compostos para uso pela indústria de cosméticos. Sthefany já conseguiu uma bolsa para fazer sua graduação nos Estados Unidos e está participando agora do processo de seleção e admissão para 14 universidades americanas, como Stanford e Harvard.

      Carapaça de camarão na cura de queimaduras – A carapaça do camarão, um rejeito das peixarias, é fonte importante de quitina, utilizada com sucesso na formulação de um curativo cicatrizante para queimaduras desenvolvido pelas estudantes Sâmia Seleme e Mila Cortes Chacon de Oliveira, do Colégio Bom Jesus, de Curitiba (PR). Depois de um processo de desmineralização e descoloração da casca, elas extraíram a quitina. Uma base de amido e glicerina foi adicionada à mesma, formando uma membrana úmida, bastante flexível e, por isso, capaz de se moldar bem à pele. Resultado: um curativo que promove uma cicatrização antimicrobiana. “O amido trata da ardência e dá liga à membrana, enquanto a glicerina promove a hidratação da pele e a quitina atua na cicratização”, explica Sâmia. As estudantes tiveram como objetivo fazer um curativo mais barato do que os usados pelos hospitais do Sistema Único de Saúde. Pelos seus cálculos, uma membrana de tamanho pequeno, já existente no mercado, custa de US$ 2 a US$ 20,00. Já a membrana que elas desenvolveram, por usar como fonte de quitina um material que seria descartado, sairia por volta de R$ 0,70. A solução precisa ainda ser testada em animais e humanos.

      Adoçante à base de batata – Quem diria que a batata, alimento que deve ser consumido moderadamente por diabéticos, poderia ser matéria prima para produção de um adoçante? Foi o que descobriram os alunos Andrey Silva Morawski e Rafaela Silveira Carniel, que estudam no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, da cidade de Osório. Nas suas pesquisas, eles souberam que a batata Yacon contém um alto teor de FOS, um tipo de açúcar não digerido pelo organismo humano. “Ou seja, o FOS pode ser consumido por diabéticos, pois não influenciará o índice glicêmico”, aponta Andrey. Eles extraíram o FOS e o aplicaram em três produtos de panificação, pão, bolo e cookies, buscando, assim, um adoçante diet natural e mais barato do que os já existentes. “Verificamos que, para o pão e para os cookies, não é necessário adicionar nenhuma complementação de adoçante artificial. O próprio extrato foi suficiente para adoçá-los”, conta ele. “Já no caso do bolo, foi preciso adicionar uma pequena quantidade de adoçantes artificiais. Porém, comparada com as receitas de mercado, usamos uma quantidade muito menor”, acrescenta. O adoçante é líquido e não há uma quantidade padrão para uso, uma vez que varia de acordo com o produto ao qual ele seria adicionado.

      Serviço: A mostra pública de projetos da FEBRACE 2017 será realizada entre 21 a 23 de março. É aberta ao público em geral, das 14h às 19h, em uma tenda instalada no estacionamento da Escola Politécnica da USP (Av. Prof. Luciano Gualberto, nº 3, travessa 3, Cidade Universitária). A entrada é franca. Mais informações: www.febrace.org.br.

      Atenção: no dia 21/03, das 9 às 12 horas, os jornalistas terão acesso exclusivo à tenda do evento para que possam conduzir suas reportagens com mais calma. Assessores de imprensa estarão à disposição para ajudá-los durante o evento.


      Atendimento à imprensa: Acadêmica Agência de Comunicação Érika Coradin Telefones: (11) 5549-1863 / 5081-5237. erika@academica.jor.br

  • 08/03/2017
    FEBRACE 2017 terá festival "mão na massa”
    • A maior mostra de jovens talentos pré-universitários e seus projetos em Ciências e Engenharia, que acontece de 21 a 23 de março, nas dependências da Poli-USP, em São Paulo, abrigará o 1º Festival de Invenção e Criatividade.

      A 15ª Edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (FEBRACE), que começa no dia 21 de março na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), em São Paulo, abrigará o 1º Festival de Invenção e Criatividade (FIC). Além da mostra dos projetos finalistas de estudantes do ensino médio de todo o País, o evento contará com oficinas, cursos e palestras com o objetivo de difundir a educação “mão na massa” entre estudantes do ensino fundamental, professores e gestores que atuam neste nível do ensino. Segundo a coordenadora geral dos eventos, a professora Roseli de Deus Lopes, o conceito da educação “mão na massa” parte do pressuposto que o aprendizado é mais efetivo quando se aprende ao fazer, observar, manipular, testar hipóteses e buscar conhecimentos e desenvolver habilidades para solucionar um desafio. “Este tipo de abordagem, além de ampliar as possibilidades de aprendizado, é a base do processo investigativo”, destaca. “Tal qual são os projetos desenvolvidos pelos estudantes que estarão na FEBRACE.” Ela explica que o movimento “mão na massa” adquiriu novo impulso a partir da recente popularização de kits de robótica, computação física e equipamentos como impressoras 3D e cortadoras laser, trazendo uma nova e forte onda “maker” e “DIY” (do it yourself – faça você mesmo) a partir dos Estados Unidos e se propagando rapidamente para outros países, incluindo o Brasil. Nele, os alunos têm à disposição diversos recursos, como materiais convencionais (papel, papelão, madeira, barbante, elásticos, tesoura), somados a impressoras 3D, cortadoras laser e materiais de robótica e computação física, para criar experimentos e invenções. “Na mostra interativa do Festival, traremos parceiros que irão oferecer atividades para as crianças com essa proposta, além de oficinas para professores e gestores com estratégias para adotar esta proposta”, conta a professora Roseli. O FIC está sendo organizado pela Poli-USP em conjunto com o Transformative Learning Technologies Lab da Universidade de Stanford, com o Media Lab - Massachusetts Institute of Technology (MIT) e com Programaê. Projetos inovadores – O público esperado para a FEBRACE deste ano é de 14 mil visitantes – dois mil a mais que na edição anterior. “Nesta edição, serão 346 projetos desenvolvidos por 763 estudantes do ensino médio com a orientação ou co-orientação de 484 professores. “Os projetos se destacam por oferecer soluções criativas para problemas reais e muitos são de fato inovadores”, diz. É o caso, por exemplo, de uma fita reagente que detecta resíduos de agrotóxicos em hortaliças, de uma plataforma para auxiliar a integração de migrantes e refugiados e de um dispositivo que permite rastrear bagagens perdidas. Os finalistas foram selecionados entre mais de 2.1 mil projetos, submetidos diretamente pelos estudantes ou por meio das 126 feiras de ciência afiliadas à FEBRACE. Abrangem diversas áreas do conhecimento e representam estudantes de todos os estados brasileiros. A maioria dos estudantes selecionados como finalistas é de escolas públicas (194), seguida de instituições privadas (67) e fundações (22). Como nos anos anteriores, os estudantes e seus projetos serão avaliados por pesquisadores e especialistas de diversas áreas do conhecimento. Os estudantes melhor avaliados ganharão troféus, medalhas, bolsas e estágios, num total aproximado de 300 prêmios. Também concorrerão a 70 bolsas de iniciação científica Junior do CNPq e a uma das vagas (9 projetos, máx. 15 estudantes autores) para representar o Brasil na Feira Internacional de Ciências e Engenharia da Intel (Intel ISEF), que será realizada em maio, em Los Angeles (EUA).

      Sobre a FEBRACE: Promovida anualmente pela Poli-USP, por meio do Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI), a FEBRACE é a maior feira brasileira pré-universitária de Ciências e Engenharia em abrangência, qualidade científica/tecnológica e visibilidade. Seu objetivo é estimular a cultura científica, a inovação e o empreendedorismo na educação básica, despertando novas vocações nessas áreas e induzindo práticas pedagógicas inovadoras nas escolas. Além da mostra de projetos, a FEBRACE conta com atividades voltadas para gestores e para os professores orientadores dos estudantes participantes. Esta edição conta com apoio institucional Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) – Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social (SECIS) Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e patrocínio da INTEL do Brasil, Petrobrás, Samsung, Instituto Votorantim e Fundação Lemann.

      Serviço: A mostra pública de projetos da FEBRACE 2017 será realizada entre 21 a 23 de março, e aberta a o público em geral das 14h às 19h, em uma tenda instalada no estacionamento da Escola Politécnica da USP (Av. Prof. Luciano Gualberto, nº 3, travessa 3, Cidade Universitária). A entrada é franca. Mais informações: www.febrace.org.br.


      Atendimento à imprensa: Acadêmica Agência de Comunicação Érika Coradin Telefones: (11) 5549-1863 / 5081-5237 erika@academica.jor.br

  • 07/02/2017
    Curso 3M de Formação de Professores para região de Campinas e Ribeirão Preto
    • O Desafio de Inovação do Instituto 3M convida professores da região metropolitana de Campinas e Ribeirão Preto à participares do PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA A PRÁTICA DAS CIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO BÁSICA. Com atividades presenciais e a distância, o programa tem o objetivo de formar professores para a prática das ciências e orientação de projetos investigativos realizados por estudantes da educação básica. O Programa de formação é gratuito e se destina a professores do ensino fundamental, médio e técnico que se interessam por ciências e querem contribuir para um mundo melhor. As inscrições vão até 12 de fevereiro de 2017.Para saber mais clique aqui

  • 18/07/2016
    Luis Fernando de Silva Borges de Mato Grosso do Sul, participará do 58ºForum Internacional de Ciência Jovem em Londres [London International Youth Science Forum (LIYSF)]
    • Luis Fernando e Silva Borges, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul - Campus Aquidauana, será um dos representantes brasileiros participando do 58º LIYSF – um dos principais eventos mundiais para jovens cientistas - que terá neste ano como tema ‘Grandes Descobertas Científicas", com palestras chaves do Prof. Dr. Romain Murenzi da Academia Mundial de Ciências de Paises em Desenvolvimento (The World Academy of Sciences in Developing Countries - TWAS) e da ganhadora do Prêmio Nobel Profa. Dra. Ada Yonath, do Instituto Weizmann (Nobel em Química - 2009).

      Este programa de residência de ponta, acontecerá de 27 de Julho a 10 de Agosto de 2016 no Imperial College em Londres, reunindo cerca de 475 jovens cientistas, de 17 a 21 anos de todo o mundo (75 países), maioria selecionados como premiados de feiras e competições nacionais e internacionais.

      Durante duas semanas, os estudantes reunidos no Imperial College London, embarcarão num programa de classe global com palestras, e acesso a centros de pesquisa, laboratórios e instituições de ensino de ponta.

      O evento tem como objetivo fornecer aos alunos um amplo ambiente de aprendizagem e se envolver com uma variedade palestras e seminários de especialistas, além de passeios e visitas a locais de destaque. O principal palestrante será o professor Romain Murenzi o director executivo da Academia Mundial de Ciências de Paises em Desenvolvimento (The World Academy of Sciences in Developing Countries - TWAS) - com sede em Trieste, Itália. Professor Murenzi serviu em seu país de origem - Ruanda, como o ministro do Gabinete do Presidente, responsável por Ciência, Tecnologia e Investigação Científica e foi o arquiteto chave por trás do "renascimento científico do país" (2001 - 2009).

      Muitos participantes estarão presentes no forúm como parte de premiações, comprovando o seu talento.

      Luís Fernando de Silva Borges participa da 58ª LIYSF como parte do Prêmio Memorial Philip V. Streich - Fórum Internacional de Ciência Jovem em Londres (LIYSF: London International Youth Science Forum), reconhecimento que ele recebeu durante a Intel ISEF 2016, realizada em Maio, em Phoenix, Arizona, nos EUA. "É uma grande prazer poder participar de um evento realizado no berço da ciência moderna e pisar no mesmo chão que os principais cientistas que edificaram nossos conhecimentos sobre a vida e sobre a matéria. Como o LIYSF não tem caráter competitivo, a oportunidade para o aprendizado e o intercâmbio de experiências vai ser sem igual. Estou muito ansioso para conhecer desde o mais antigo museu de história natural do mundo, até a maior máquina construída pelo homem que nos revelou recentemente o Bóson de Higgs." afirma Luis Fernando.

      Richard Myhill, Diretor do LIYSF afirma: “LIYSF continua a oferecer uma oportunidade ímpar e única para os participantes a compartilhar idéias com os pares de estudantes de todo o mundo, para aprender sobre diferentes abordagens científicas internacionais e participação nas culturas uns dos outros.

      O mundo moderno ainda apresenta novos desafios e os avanços científicos continuam a avança. Os alunos que participan do LIYSF são os pensadores de hoje e eles serão a força motriz por trás da ciência em movimento.

      Para detalhes completos e programação completo do LIYSF, visitem o site www.liysf.org.uk

      Serviço:

      Sobre o FORUM DE CIÊNCIA JOVEM EM LONDRES [LONDON INTERNATIONAL YOUTH SCIENCE FORUM (LIYSF)]

      Iniciado em 1959, o LIYSF visa dar uma visão mais profunda da ciência e suas aplicações para o benefício de toda a humanidade e para desenvolver uma maior compreensão entre os jovens de todas as nações. LIYSF é um evento de "residencia" de duas semanas em Londres, que atrai mais de 475 dos principais jovens cientistas do mundo com idade entre 17-21 anos de idade de mais de 75 países participantes.

      Atendimento de Imprensa do LIYSF : Richard Myhill – Diretor do LIYSF: Richard.myhill@liysf.org.uk

      A cerimônia de abertura do 58º LIYSF acontecerá em Londres no dia 28 de Julho.

  • 01/07/2016
    Estudantes premiados na Intel ISEF 2016 participam da 68ª Reunião Anual da SBPC
    • A 68ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) ocorrerá de 03 a 09 de julho de 2016, no campus Sosígenes Costa da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), em Porto Seguro, BA.

      A programação científica é composta por conferências, mesas-redondas, encontros, sessões especiais, minicursos e sessões de pôsteres. Também são realizadas outras atividades, como a SBPC Jovem (programação voltada para estudantes do ensino básico), a ExpoT&C (mostra de ciência e tecnologia) e a SBPC Cultural (apresentação de atividades artísticas regionais e discussões sobre temas relacionados à cultura).

      A coordenadora geral da FEBRACE, professora Roseli de Deus Lopes, estará presente no evento, participando de uma mesa redonda e ministrando um minicurso juntamente com Irene Karaguilla Ficheman, gerente de tecnologias para educação e acessibilidade do LSI-TEC.

      Além disso, os estudantes premiados na Intel ISEF, em maio passado, em Phoenix, Arizona, apresentarão suas invenções no Estande de Feiras de Ciências, na ExpoT&C (mostra de ciência e tecnologia).

      Confira a agenda completa:

      Programação Científica

      Data: 04/7/2016 | Horário: 15h30 às 18h00 | UFSB - Auditório Arraial d´Ajuda

      Mesa-Redonda: ESCOLA E FORMAÇÃO DE CIENTISTAS: QUE RELAÇÃO É ESTA? Coordenador: Nelson de Luca Pretto (UFBA) Palestrantes: Eduardo Fleury Mortimer (UFMG), Roseli de Deus Lopes (USP) e Marie Jane Soares Carvalho (UFRGS)

      Data: 04 a 07/07/2016 | Horário: 08h00 às 10h00 | UFSB - Auditório Cabrália 1

      Minicurso: ORIENTAÇÃO DE PROJETOS CIENTÍFICOS/TECNOLÓGICOS NA EDUCAÇÃO BÁSICA Ministrante: Roseli de Deus Lopes (USP) e Irene Karaguilla Ficheman (LSI-TEC) Ementa: Abordar temas que se referem ao desenvolvimento de projetos investigativos em ciências e engenharia, bem como orientar estudantes da educação básica e técnica no desenvolvimento de seus projetos e na apresentação dos resultados dos mesmos. Nesse curso professores conhecerão os passos para orientar estudantes da Educação Básica ou Técnica a desenvolver um projeto de pesquisa a fim de apresentá-lo em feiras e mostras científicas.

      ExpoT&C - mostra de ciência, tecnologia e inovação (C,T&I)

      Data: 04 a 09/07/2016 | Horário: 10h00 às 19h00 |UFSB - Pavilhão da ExpoT&C

      Estande de Feiras de Ciências com a participação dos estudantes:

      De Campinas, SP

      Rafael Eiki Matheus Imamura e Laura Rúbia Paixão Boscolo

      Projeto: Yarner - estudo da utilização de tecnologias em salas de aula a favor das práticas de letramento com plataforma de criação de livros digitais interativos Colégio Técnico de Campinas - UNICAMP, Campinas – SP

      De Novo Hamburgo, RS

      Guilherme de Oliveira Ramos e Fabiane Kuhn

      Projeto: Sistema para Otimização de Irrigação Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha

      De Aquidauana, MS

      Luiz Fernando da Silva Borges

      Projeto: Prendendo fantasmas em robôs: um novo método de controle e design para próteses mioelétricas transradiais e rearranjo neuronal do mapa de Penfield para feedback tátil Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul - Campus Aquidauana

      De Porto Velho, RO

      Ygor Requenha Romano

      Projeto: Eficiência energética aplicada em sistema renovável de tratamento de água E.E.E.F. Murilo Braga

      De Novo Hamburgo, RS

      Carolina Rosa Kelsch e Márcia Cunha dos Santos

      Projeto: Venus - localizador vascular Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha

      De Osório, RS

      João Vitor Kingeski Ferri e Maria Eduarda Santos de Almeida

      Projeto: Palmeira Juçara: aproveitamento integral do fruto como alternativa de preservação ambiental e promoção de impactos econômicos e sociais positivos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Osório

      De Londrina, PR

      Maria Vitoria Valoto

      Projeto: Desenvolvimento de cápsulas reutilizáveis da enzima beta-galactosidase destinadas aos intolerantes à lactose Colégio Interativa

  • 06/06/2016
    Inscrições abertas para a FEBRACE 2017.
    • Faça já seu cadastro inicial e envie o relatório de projeto até 30 de outubro de 2016

      A Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (FEBRACE), movimento nacional de estímulo ao jovem cientista abre inscrições para a 15a edição da mostra de projetos, maior evento do gênero no país. Os projetos podem ser submetidos até o dia 30 de outubro de 2016, pelo site (www.febrace.org.br/submeter), utilizando o sistema de submissão eletrônica. Podem participar estudantes matriculados no 8º ou 9º ano do ensino fundamental, no ensino médio ou técnico de instituições públicas e privadas de todo o Brasil. Os estudantes têm que ter no máximo 20 anos. Podem realizar projetos individuais, ou em grupos de até 3 pessoas, com a participação obrigatória de um professor orientador. Os projetos submetidos devem enquadrar-se nas áreas das Ciências (Exatas, da Terra, Biológicas, da Saúde, Agrárias, Sociais e Humanas) e Engenharia. Nessa primeira etapa de seleção, aproximadamente 150 professores da USP e de universidades parceiras avaliam os projetos e escolhem cerca de 300 finalistas para participarem da mostra, em março, na Universidade de São Paulo. Os critérios utilizados são: criatividade e inovação; conhecimento científico do problema; maneira como foram levantados os dados e conduzido o projeto; profundidade da pesquisa e clareza de apresentação na documentação do projeto. Durante a mostra, os estudantes são avaliados por um corpo de 300 professores mestres e doutores, que identificam os primeiros, segundos e terceiros lugares de cada categoria - estes são contemplados com troféus, medalhas e certificados. Diversas instituições públicas e privadas também oferecem prêmios, como: estágios, bolsas de estudo, equipamentos eletrônicos, visitas técnicas e credenciais para participação em outras feiras nacionais e internacionais. O grande destaque fica para o prêmio da Intel Foundation, que oferece credencial e estadia para os estudantes de 9 projetos selecionados representarem o Brasil na maior feira pré-universitária do mundo: a Intel ISEF (Internacional Science and Engineering Fair), que em 2017 acontecerá no mês de maio, em Los Angeles, California, nos Estados Unidos. A FEBRACE envolve, a cada ano, mais estudantes e professores no desenvolvimento de projetos investigativos. Em sua primeira edição, em 2003, foram enviados 300 projetos, e selecionados 93 finalistas. Na última edição, em março de 2016, a FEBRACE envolveu diretamente mais de 65.000 estudantes de 26 Estados do Brasil, que desenvolveram projetos investigativos e os submeteram diretamente ou através de uma das 125 feiras afiliadas. O evento contou com 752 estudantes finalistas acompanhados por 476 professores orientadores/coorientadores e mais de 12 mil visitantes.

      Sobre a FEBRACE

      A FEBRACE - Feira Brasileira de Ciências e Engenharia é um movimento nacional de estímulo à cultura científica, à inovação e ao empreendedorismo na educação básica (fundamental, média e técnica), e seus principais objetivos são estimular novas vocações em Ciências e Engenharia e induzir práticas pedagógicas inovadoras nas escolas. O estímulo a novas vocações é realizado por meio do desenvolvimento pelos estudantes de projetos criativos, inovadores e significativos para eles e para a sociedade. Práticas pedagógicas inovadoras proporcionam situações e orientações para que estudantes concebam e desenvolvam projetos investigativos. A FEBRACE propicia também a aproximação entre escolas e universidades e a interação espontânea entre estudantes, professores, profissionais e cientistas, criando espaços de trocas de experiências, de novas oportunidades e de ampliação das fronteiras do conhecimento. Inserida no contexto de diversas ações de formação e disseminação voltadas à identificação, valorização e desenvolvimento de novos talentos, a FEBRACE anualmente realiza, desde 2003, um grande evento que reúne jovens talentos pré-universitários em Ciências e Engenharia na Universidade de São Paulo (USP).

      Sobre o LSI

      A FEBRACE é promovida pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo por meio do Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI - EPUSP), fundado pelo Prof. Dr. João Antônio Zuffo, em 1975. Pioneiro em desenvolvimento de tecnologia no Brasil, o Laboratório atua nos mais diversos segmentos, como microeletrônica, realidade virtual, saúde digital, tecnologia para a educação, entre outras áreas de pesquisa e desenvolvimento. O LSI conta hoje com centenas de publicações científicas e tecnológicas, e tem orgulho de ter formado um grande número de profissionais de destaque no mercado, graças ao constante incentivo à criatividade e capacidade de inovação de seus professores, pesquisadores e colaboradores. Além disso, transferir as tecnologias desenvolvidas no LSI para a indústria de forma a torná-las úteis também para a sociedade, sempre foi uma importante missão do Laboratório.

      Acompanhe a FEBRACE www.febrace.org.br www.febrace.org.br/inspiradores https://www.facebook.com/febrace https://www.flickr.com/photos/febrace/collections/ https://www.youtube.com/user/FEBRACE https://criaeinova.wordpress.com/

      Atendimento à imprensa:

      Elena Saggio elena@lsi.usp.br , +55-11-3091-5661, +55-11-3091-5676

  • 17/05/2016
    DELEGAÇÃO BRASILEIRA SE DESTACA E ALCANÇA O ÁPICE NA INTEL ISEF 2016
    • Estudantes brasileiros fazem sucesso e conquistam 12 prêmios na feira internacional de ciências e engenharia. Além disso, sete projetos de estudantes brasileiros são reconhecidos pela OEA como os melhores das Américas.

      Nas cerimônias de premiação da Intel ISEF (International Science and Engineering Fair), nomeadas “Special Awards Ceremony” e “Grand Awards Ceremony”, estudantes brasileiros marcam presença conquistando 12 prêmios, com destaque para um primeiro lugar na categoria Biomedical Engineering.

      Os estudantes competiram por prêmios e foram julgados pela sua capacidade criativa e pensamento científico, rigor, competência e clareza mostrada em seus projetos. Estes jovens cientistas fazem parte da Delegação Brasileira, composta por 30 estudantes que apresentaram 18 projetos, sendo 13 estudantes representando 9 projetos que foram selecionados na 14ª Feira Brasileira de Ciências e Engenharia – FEBRACE realizada em São Paulo, SP, e 17 estudantes representando 9 projetos que foram selecionados na MOSTRATEC, realizada em Novo Hamburgo, RS.

      O Brasil, com 12 prêmios, foi o quarto país mais premiado no acumulado das duas cerimônias da Intel ISEF, ficando atrás somente dos EUA, Canadá, Taiwan e Alemanha.

      Os estudantes premiados originam-se dos Estados de Rondônia, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná e Rio Grande do Sul.

      Além da premiação da Intel ISEF 2016, doze estudantes tiveram seus projetos científicos reconhecidos como um dos melhores das Américas pelo Departamento de Desenvolvimento Humano, Educação e Emprego da OEA (Organização dos Estados Americanos), ficando entre os 50 melhores projetos das Américas, escolhidos entre os finalistas da Intel ISEF 2016.

      A Intel ISEF (Internacional Science and Engineering Fair) faz parte de um programa da Society for Science & the Public e da Intel Foundation (http://www.societyforscience.org/. A ISEF é realizada desde 1950 e já revelou milhares de talentos em Ciências e Engenharia e seus projetos inovadores para todo o mundo. Desde 1996, a feira conta com o patrocínio da Intel e traz o nome de Intel ISEF - Intel International Science and Engineering Fair.

      A Intel ISEF é uma feira internacional de ciências e engenharia realizada anualmente em maio, nos EUA. Para participar, o estudante precisa ser indicado por meio de uma das feiras credenciadas ao redor do mundo.

      Neste ano, a Intel ISEF foi em Phoenix, no Estado do Arizona, de 8 a 13 de maio, e reuniu 1.700 estudantes de de 77 países.

      Para recebê-los, a organização da feira contou com uma estrutura que envolveu voluntários, intérpretes e avaliadores para julgar os melhores projetos. Fazem parte do seleto corpo de avaliadores vários cientistas de renome internacional, todos com titulação de Ph.D.s ou equivalente, ganhadores de prêmios relevantes, inclusive ganhadores do Prêmio Nobel.

      É uma competição baseada na qualidade de projetos e pesquisas desenvolvidos por estudantes de todo o mundo que ainda não chegaram ao ensino superior e que competem por mais de quatro milhões de dólares em prêmios. O principal objetivo é apresentar as inovações de jovens criativos do mundo todo, além de gerar a oportunidade para que jovens talentos sejam reconhecidos internacionalmente.

      INTEL ISEF SPECIAL AWARDS CEREMONY (12/05/2016)

      1 - GoDaddy - Prêmio $1,500 Web Innovator Award De Campinas, SP Rafael Eiki Matheus Imamura Laura Rúbia Paixão Boscolo Projeto: Yarner - estudo da utilização de tecnologias em salas de aula a favor das práticas de letramento com plataforma de criação de livros digitais interativos Colégio Técnico de Campinas - UNICAMP, Campinas - SP (Finalista pela FEBRACE)

      2 - Oracle Academy - Prêmio Award of $5,000 for outstanding project in the systems software category. De Campinas, SP Rafael Eiki Matheus Imamura Laura Rúbia Paixão Boscolo Projeto: Yarner - estudo da utilização de tecnologias em salas de aula a favor das práticas de letramento com plataforma de criação de livros digitais interativos Colégio Técnico de Campinas - UNICAMP, Campinas - SP (Finalista pela FEBRACE)

      3 - SPIE, the international society for optics and photonics - Second Award of $1,500 De Novo Hamburgo, RS Guilherme de Oliveira Ramos Fabiane Kuhn Projeto: Sistema para Otimização de Irrigação Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha (Finalista pela MOSTRATEC)

      INTEL ISEF GRAND AWARDS CERIMONY (13/05/2016)

      1 - London International Youth Science Forum - The Philip V. Streich Memorial Award Participation in the London International Youth Science Forum De Aquidauana, MS Luiz Fernando da Silva Borges Projeto: Prendendo fantasmas em robôs: um novo método de controle e design para próteses mioelétricas transradiais e rearranjo neuronal do mapa de Penfield para feedback tátil Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul - Campus Aquidauana (Finalista pela FEBRACE)

      2 - Biomedical Engineering - Intel ISEF Best of Category Award of $5,000 3 - Biomedical Engineering- First Award of $3,000 De Aquidauana, MS Luiz Fernando da Silva Borges Projeto: Prendendo fantasmas em robôs: um novo método de controle e design para próteses mioelétricas transradiais e rearranjo neuronal do mapa de Penfield para feedback tátil Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul - Campus Aquidauana (Finalista pela FEBRACE)

      4 - Embedded Systems - Third Award of $1,000 De Novo Hamburgo, RS Guilherme de Oliveira Ramos Fabiane Kuhn Projeto: Sistema para Otimização de Irrigação Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha (Finalista pela MOSTRATEC)

      5 - Environmental Engineering - Third Award of $1,000 De Porto Velho, RO Ygor Requenha Romano Projeto: Eficiência energética aplicada em sistema renovável de tratamento de água E.E.E.F. Murilo Braga (Finalista pela FEBRACE)

      6 - Biomedical Engineering - Fourth Award of $500 De Novo Hamburgo, RS Carolina Rosa Kelsch Márcia Cunha dos Santos Projeto: Venus - localizador vascular Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha (Finalista pela FEBRACE)

      7 - Environmental Engineering - Fourth Award of $500 De Osório, RS João Vitor Kingeski Ferri Maria Eduarda Santos de Almeida Projeto: Palmeira Juçara: aproveitamento integral do fruto como alternativa de preservação ambiental e promoção de impactos econômicos e sociais positivos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Osório (Finalista pela FEBRACE)

      8 - Systems Software - Fourth Award of $500 De Campinas, SP Rafael Eiki Matheus Imamura Laura Rúbia Paixão Boscolo Projeto: Yarner - estudo da utilização de tecnologias em salas de aula a favor das práticas de letramento com plataforma de criação de livros digitais interativos Colégio Técnico de Campinas - UNICAMP (COTUCA) (Finalista pela FEBRACE)

      9 - Translational Medical Science - Fourth Award of $500 De Londrina, PR Maria Vitoria Valoto Projeto: Desenvolvimento de cápsulas reutilizáveis da enzima beta-galactosidase destinadas aos intolerantes à lactose Colégio Interativa (Finalista pela FEBRACE)

      PREMIAÇÃO ESPECIAL DA ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS (OEA) - 12/05/2016

      A Organização dos Estados Americanos (OEA) reconhece 50 projetos de jovens estudantes participantes da Intel ISEF 2015, dentre eles cinco projetos são de estudantes brasileiros, são eles:

      De Gama, DF Juliana Macedo Sthefany Aline Falcao Silva Projeto: Análise comparativa do nível de proteção dos materiais à radiação ultravioleta Centro de Ensino Médio 02 do Gama (Finalista pela MOSTRATEC)

      De Porto Velho, RO Ygor Requenha Romano Projeto: Eficiência energética aplicada em sistema renovável de tratamento de água E.E.E.F. Murilo Braga (Finalista pela FEBRACE)

      De Esteio, RS Arthur Garcia Proença Fernando Duarte Pascoal Projeto: Realidade Virtual – RV Educacional Colégio Coração de Maria (Finalista pela MOSTRATEC)

      De Campinas, SP Rafael Eiki Matheus Imamura Laura Rúbia Paixão Boscolo Projeto: Yarner - estudo da utilização de tecnologias em salas de aula a favor das práticas de letramento com plataforma de criação de livros digitais interativos Colégio Técnico de Campinas - UNICAMP (COTUCA) (Finalista pela FEBRACE)

      De Novo Hamburgo, RS Bárbara da Silva Enderle Fernanda Schäfer Tesch da Silva Projeto: SCAIF - Sistema de Comunicação para Alerta de Incêndios Florestais Fundação Escola Técnica Liberato Salzano Vieira da Cunha (Finalista pela MOSTRATEC)

      ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS (OEA) - 12/05/2016 Secretaria Técnica da Comissão Interamericana de Ciência e Tecnologia (COMCYT)

      A Organização dos Estados Americanos (OEA) e a Secretaria Técnica da Comissão Interamericana de Ciência e Tecnologia (COMCYT) fizeram um reconhecimento especial para três projetos, destacando-os como os melhores das Américas em Inovação Social, sendo os dois de estudantes brasileiros.

      De Aquidauana, MS Luiz Fernando da Silva Borges

      Projeto: Prendendo fantasmas em robôs: um novo método de controle e design para próteses mioelétricas transradiais e rearranjo neuronal do mapa de Penfield para feedback tátil Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul - Campus Aquidauana (Finalista pela FEBRACE)

      De Osório, RS João Vitor Kingeski Ferri Maria Eduarda Santos de Almeida Projeto: Palmeira Juçara: aproveitamento integral do fruto como alternativa de preservação ambiental e promoção de impactos econômicos e sociais positivos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Osório (Finalista pela FEBRACE)

      Atendimento à Imprensa: Elena Saggio, elena@lsi.usp.br, 11 3091 5676, 11 3091 5661

      https://www.flickr.com/photos/febrace/albums/72157668086738776 https://www.facebook.com/febrace www.febrace.org.br

  • 11/05/2016
    Delegação brasileira marca presença na feira mundial de ciências e engenharia
    • Terca-feira, 10 de maio, ganhadores de prêmio Nobel visitam a Intel ISEF 2016.

      Alguns estudantes, entre eles a estudante Maria Vitoria Valoto, 15 anos, tiveram a oportunidade de apresentarem seus projetos para J. Michael Bishop, prêmio Nobel de Medicina, e Martin Chalfie, prêmio Nobel de química, que esbanjaram simpatia por onde passaram. Sem dúvida, essa experiência marcará muito a vida dos estudantes brasileiros.

      Neste ano, a Intel ISEF 2016 é em Phoenix, no estado do Arizona, de 8 a 13 de maio, e reúne mais de 1.700 estudantes de 70 países. O Brasil está representado por 18 projetos e 30 estudantes, selecionados pelas duas maiores feiras do Brasil, FEBRACE, em São Paulo, SP e MOSTRATEC, em Novo Hamburgo, RS.

      A Intel ISEF (Internacional Science and Engineering Fair) faz parte de um programa da Society for Science & the Public e da Intel Foundation (http://www.societyforscience.org/).

      A ISEF é realizada desde 1950 e já revelou milhares de projetos inovadores, patentes e cientistas brilhantes para todo o mundo. Desde 1996, a feira conta com o patrocínio da Intel e traz o nome de Intel ISEF - Intel International Science and Engineering Fair.

      A Intel ISEF é uma Feira Internacional de Ciências e Engenharia realizada anualmente em maio, nos EUA. Para participar, o estudante precisa ser indicado por meio de uma das feiras nacionais credenciadas ao redor do mundo. Desde 1950, um Estado norte-americano diferente hospeda a feira.

      Para recebê-los a organização da Intel ISEF conta com uma estrutura que envolve voluntários, intérpretes e avaliadores para julgar os melhores projetos. Fazem parte do seleto corpo de avaliadores vários cientistas de renome internacional, todos com titulação de Ph.D.s ou equivalente, ganhadores de prêmios relevantes, inclusive ganhadores do Prêmio Nobel.

      A Intel ISEF é uma competição baseada na qualidade de projetos e pesquisas desenvolvidos por estudantes de todo o mundo que ainda não chegaram ao ensino superior e que competem por mais de quatro milhões de dólares em prêmios, incluindo bolsas de estudo. O principal objetivo é apresentar as inovações de jovens criativos do mundo todo, além de gerar a oportunidade para que jovens talentos sejam reconhecidos internacionalmente.

      ATENDIMENTO À IMPRENSA

      FEBRACE Elena Saggio (11) 3091, 5667, (11) 3091-5676 elena@lsi.usp.br

      ACOMPANHE A FEBRACE

      Site: www.febrace.org.br Blog: http://criaeinova.wordpress.com/ Flickr: http://www.flickr.com/photos/febrace/ Facebook: http://www.facebook.com/febrace Twitter: @febrace Youtube: http://www.youtube.com/user/FEBRACE

  • proxima
Informações para a imprensa

Elena Saggio - elena@lsi.usp.br

  • Blog
  • Twitter
  • Youtube
  • Facebook
  • Flickr