FEBRACE
  • lsi
  • poli usp
  • usp

Notícias

29/04/2019 Desenvolvimento de cateter bioativo proveniente do aproveitamento do líquido da castanha do caju (Anacardium Occidentale) como alternativa na prevenção de infecção sistêmica

PERFIL FINALISTA INTEL ISEF 2019

Escola: E.E. Prof. Hermogenes Nogueira da Costa

Orientadora: Luisa Kiara Dantas Azevedo Lopes

Estudante: Ekarinny Myrela Brito de Medeiros

Cidade: Mossoró - RN

Motivação: Eu tive uma tia que teve problemas de saúde causados pelo uso de catéter.

FEBRACE 2019 - 172

Resumo Extraído dos Anais da FEBRACE 2019

Os cateteres são dispositivos de fundamental importância e os mais utilizados em todo o mundo no tratamento de pacientes graves internados em UTI. São utilizados também para tratamentos de pacientes hospitalizados ou em procedimentos adicionais como medicações e hemodiálises. Contudo, a utilização de cateteres representa um grande potencial de complicações infecciosas na corrente sanguínea. O patógeno mais encontrado nestas infecções são os Staphylococcus aureus, uma bactéria esférica, gram positiva, frequentemente encontrada na pele e nas fossas nasais de pessoas saudáveis, tendo apresentado resistência a muitos antimicrobianos. Em contrapartida, em um outro setor da sociedade, uma problemática, são os resíduos agroindustriais da cultura do caju. De acordo com dados da fábrica de castanha da cidade de Mossoró-RN (USIBRAS), cerca de 3 mil toneladas de LCC (líquido da castanha do caju) é armazenado por semana. O LCC representa cerca de 25% do peso da castanha, esse líquido tem como composto principal o ácido anacárdico. Pesquisas acadêmicas revelam que essa substância possui atividade inibidora comprovada contra o patógeno Staphylococcus aureus. Tendo em vista essas problemáticas, surgiu o interesse por desenvolver um cateter bioativo a partir do aproveitamento do LCC para combater a infecção de corrente sanguínea por colonização de Staphylococcus aureus. A produção do cateter bioativo foi realizada a partir de um método simples, no qual se utilizou 1mL de poliuretano vegetal (PU) derivado da mamona (Ricinus communis) e o 0,25mL de LCC. Para verificar seu poder antimicrobiano o cateter bioativo foi submetido a testes laboratoriais. Os testes realizados demonstraram que o cateter bioativo apresenta propriedades eficazes para combater a infecção da corrente sanguínea por colonização de Staphylococcus aureus. Mostrando-se como uma alternativa viável e com um custo bem inferior aos cateteres convencionais.

ver todas as notícias