Votação encerrada às 23:59 do dia 04/04/2020. Confira os 10 projetos mais votados.
Votação popular

BIO119 - Herbivoria em ‘Dalbergia ecastophyllum’ e potencial fitotóxico de ‘Schinus terebinthifolius’ de área estuarina do litoral norte de Pernambuco, Brasil

Sub-categoria: Ecologia

Votação encerrada às 23h59 do dia 4/4/2020.
Confira os 10 projetos mais votados!.

Autoria: Beatriz Fernanda de Araújo Trindade, Karolyne Lucia Ortiz Alves

Orientação: José Antônio Bezerra de Oliveira

Instituição: Erem Professora Euridice Cadaval

Resumo

(Ver pôster)

Objetivou-se neste estudo: a) testar a hipótese do vigor da planta (HPV) e a hipótese do estresse vegetal (HEV) em Dalbergia ecastophyllum e; b) verificar o potencial fitotóxico de folhas de Schinus terebinthifolius submetidas a duas condições de estresse na germinação vegetal. O trabalho desenvolveu-se na área estuarina de Vila Velha (Itamaracá-PE). No teste da HVP escolheu-se aleatoriamente 200 ramos de D. ecastophyllum e mensurou-se o comprimento do ramo, o número total de folhas e o número total de galhas. Utilizou-se regressão linear para testar esta hipótese. Para a HEV foram amostradas aleatoriamente 50 folhas de D. ecastophyllum estabelecidas em cinco pontos de ambientes alagáveis e de cinco pontos não-alagáveis. Calculou-se o percentual de herbivoria das folhas e uma análise de variância foi ajustada. Para avaliar o potencial fitotóxico de S. terebinthifolius, foi realizado um experimento onde sementes de Lactuca sativa foram submetidas aos voláteis de folhas de S. terebinthifolius estabelecidos no ambiente estuarino (maior estresse) e em ambiente não-estuarino (menor estresse), a fim de analisar a germinação. Uma Anova foi ajustada para este teste. Com relação à HVP, não houve relação entre o número total de galhas encontradas e algum parâmetro dos ramos de D. ecastophyllum. Para a HEV, houve diferença entre os pontos amostrados (p<0,01), onde as plantas próximas à água foram mais consumidas que as menos próximas. No teste para S. terebinthifolius houve um decréscimo no número final de sementes germinadas de 9% e 17%, para os tratamentos 'menor nível de estresse' e ‘maior nível de estresse’. Quanto à velocidade de germinação, houve redução de até 50% para o tratamento 'maior nível de estresse'.

Palavras-chave: Hipótese do Vigor da Planta, Hipótese do Estresse Vegetal, Fitotoxicidade