Votação encerrada às 23:59 do dia 04/04/2020. Confira os 10 projetos mais votados.
Votação popular

BIO155 - Potencial da atividade inibitória de extratos vegetais no desenvolvimento de bactérias in vitro

Sub-categoria: Microbiologia

Votação encerrada às 23h59 do dia 4/4/2020.
Confira os 10 projetos mais votados!.

Autoria: Daniel Henrique Berger, Isabela Vanzzo Delai, Milena Luiza Fischborn

Orientação: Fernando Furlan, Lucilda Rumilda Fries Binsfeld

Instituição: Colégio Gabriela Mistral

Resumo

(Ver pôster)

Atualmente diversas pesquisas estão sendo realizadas visando a descoberta de novos agentes com ação antimicrobiana provenientes de extratos de plantas com propriedades medicinais. O objetivo deste trabalho é avaliar o potencial inibitório do extrato aquoso de diferentes plantas na inibição in vitro do crescimento de Escherichia coli, Streptococcus agalactiae, Staphylococcus aureus e Pseudomonas aeruginosa pela técnica de difusão em disco. Cepas bacterianas foram semeadas em meio Mueller-Hinton e incubadas em estufa. Após o crescimento, colônias foram transferidas para 4mL de solução salina 0,9% até obter uma turbidez de 0,5 da escala de McFarland, e, com swab estéril, realizou-se o estriamento bacteriano nas placas de Petri. Para a realização do experimento, foram preparados extratos aquosos utilizando folhas de alecrim, canela e panaceia e bulbos de alho, pela técnica de infusão. Para cada espécie, utilizou-se 4 gramas do material vegetal em 40mL de água destilada, e como controle positivo utilizou-se antibiótico gentamicina, e como controle negativo água destilada autoclavada. Os extratos utilizados não foram diluídos, e discos de papel filtro foram imersos nos respectivos extratos por um minuto, e logo após aplicados sobre os meios contendo as bactérias. As placas foram mantidas em estufa e todos os testes foram realizados em triplicata, e após avaliou-se a medida dos halos de inibição. Os dados foram submetidos à ANOVA e as médias comparadas pelo teste Tukey a 5% de significância. Houve inibição do crescimento bacteriano para as espécies Pseudomonas e Streptococcus frente aos extratos de canela, panaceia e alho. Para a bactéria Staphylococcus aureus, somente o extrato de panaceia inibiu o crescimento bacteriano, para a E. coli, os extratos não se mostraram eficientes. O extrato de alecrim não apresentou ação antibacteriana. Conclui-se que o extrato aquoso de canela, alho e panaceia, possuem atividade antibacteriana frente às cepas de Pseudomonas e Streptococcus.

Palavras-chave: microrganismos resistentes, doenças, difusão em ágar