Votação encerrada às 23:59 do dia 04/04/2020. Confira os 10 projetos mais votados.
Votação popular

BIO156 - Produção de biomoléculas bacterianas por fermentação em estado sólido utilizando resíduo madeireiro

Sub-categoria: Microbiologia

Votação encerrada às 23h59 do dia 4/4/2020.
Confira os 10 projetos mais votados!.

Autoria: Maria Vitória de Miranda Rodrigues, Milena Caroline Dalanora

Orientação: Danielle Hiromi Nakagawa, Juliana Guerra de Oliveira

Instituição: IFPR - Campus Jaguariaíva

Resumo

(Ver pôster)

Na última década houve um aumento na produção de bioprodutos e biomoléculas, visto que os mesmos apresentam especificidades químicas e são vistos como moléculas alvo para aplicabilidade em vários setores industriais e ambientais. Neste contexto, encontram-se os biossurfactantes e os biodesemulsificantes, que são compostos de grande interesse produzidos por bactérias, leveduras e fungos filamentosos. Ambos podem ser sintetizados a partir da fermentação sólida utilizando resíduos alternativos como fonte de carbono e/ou suporte. Sendo assim, o presente trabalho possui como objetivo principal, verificar a produção de biomoléculas com potencial atividade biossurfactante e biodesemulsificante pela bactéria Bacillus subtilis, por fermentação em estado sólido, utilizando resíduos madeireiros. Utilizou-se a serragem, como suporte para o processo de fermentação, e o melaço de cana de açúcar como fonte de carbono. A fermentação permaneceu em estufa bacteriológica por 120 horas a 35°C. Foram realizadas as análise de pH, condutividade elétrica, umidade e contagem de células. Para verificação da presença das biomoléculas foram realizadas análises: índice de emulsificação com tolueno e óleo de soja, tensão superficial relativa e testes de desemulsificação com quebra de emulsão O/A. Foi verificado crescimento celular durante a fermentação, diminuição da tensão superficial relativa quando comparada com a da água, e índices de emulsificação de até 54%. Para verificação de biodesemulsificante utilizou-se emulsão composta de querosene, água e o tensoativo tween 80, de modo a adicionar o sobrenadante a mesma, para verificar a sua quebra. Após 48 horas, foi possível constatar que na fermentação realizada não houve produtividade de desemulsificante. Sendo assim pode-se constatar que houve produção de biossurfactante em 120 horas de fermentação sólida utilizando serragem e melaço. No entanto é necessário realizar novas análises para investigação do biodesemulsificante.

Palavras-chave: Biossurfactantes, Biodesemulsificantes, Resíduos madeireiros