Votação encerrada às 23:59 do dia 04/04/2020. Confira os 10 projetos mais votados.
Votação popular

BIO073 - Análise dos efeitos tardios na mucosa gástrica de ratos submetidos ao desmame precoce a partir da expressão gênica

Sub-categoria: Biologia Geral

Votação encerrada às 23h59 do dia 4/4/2020.
Confira os 10 projetos mais votados!.

Autoria: Letícia Guimarães Gomes

Orientação: Camila Lauand Rizzo, Sandra Maria Rudella Tonidandel

Instituição: Universidade de São Paulo

Resumo

(Ver pôster)

O desmame precoce (DP) representa a retirada antecipada do leite materno antes dos seis primeiros meses de vida do bebê. O DP provoca alterações no desenvolvimento, como a atenuação do contato mãe e filho, que muitas vezes pode levar a problemas nas características sociais da criança. A amamentação sacia a vontade de “sucção” do bebê, e na sua falta, o bebê procura por substitutos (chupeta ou dedo) que podem atrapalhar a formação da dentição. O DP também altera no desenvolvimento dos ossos e músculos da boca. O desenvolvimento do estômago está diretamente relacionado ao aleitamento materno, sendo que o DP provoca uma série de alterações em sua mucosa, induzindo mudanças na proliferação celular do epitélio gástrico. O presente trabalho pretende investigar se o DP pode induzir modificações genotípicas e fenotípicas na mucosa gástrica que se mantenham em indivíduos adultos. Considerando que o DP induz alteração da expressão de genes na mucosa gástrica durante o crescimento e vida adulta, acreditamos que essas modificações podem ser identificadas no fenótipo das células e devem ser reguladas epigeneticamente. Para testarmos nossa hipótese, utilizamos ratos com diferentes idades (60 e 120 dias) divididos em dois grupos: ratos que mamaram normalmente e ratos desmamados precocemente (após 15 dias de vida). Foram realizadas reações histoquímicas (PAS-AB) em cortes histológicos de estômagos dos ratos, que evidenciam em azul ciano a mucina 6, glicoproteína produzida pelas células mucosas do colo (CMC). As CMC foram identificadas e quantificadas nos animais amamentados e em DP pela evidenciação dessa glicoproteína. Observamos que não houve diferença entre o número de CMC dos ratos entre os diferentes tratamentos nas idades de 60 e 120 dias. Quando comparados os tratamentos entre as idades de 60 e 120 dias, também não houve diferença estatística. O DP não influenciou na distribuição de CMC de indivíduos adultos de 60 e 120 dias nas condições analisadas até o momento.

Palavras-chave: estômago, desmame precoce, epigenética