HUM253 - Autism play: jogos interativos para crianças com autismo

Sub-categoria: Psicologia

Clique em Curtir até às 23h59 do dia 04 de abril de 2020 para votar em seu projeto favorito para o Prêmio Votação Popular na FEBRACE 2020. Os resultados serão divulgados aqui na FEBRACE Virtual.

Autoria: Tamirys Tereza Altenhofer, Giulia Pessoa Claves da Costa

Orientação: Aldrim Vargas de Quadros

Instituição: Colégio Luterano Arthur Konrath

Resumo

(Ver pôster)

O autismo é um transtorno que afeta o desenvolvimento cognitivo e social de uma criança. Isso pode ser observado em características principais como a falta de interação social e a dificuldade de iniciação de uma conversa. Além disso, o indivíduo que apresenta os traços, ou até mesmo o diagnóstico completo do TEA (transtorno espectro autista), apresenta alguns problemas na realização de atividades - por muitas vezes as mesmas não se mostram interessante aos olhos da criança, que apresenta esse espectro. Pensando nisso e realizando conversas com especialista das áreas que envolvem o diagnóstico e trabalho com crianças com autismo, questionou-se a possibilidade de criar jogos simples, divertidos, coloridos e de fácil acesso, que possam ajudar na construção intelectual dos indivíduos de 4 a 12 anos. As análises foram fundamentadas de dois modos distintos: o primeiro, uma análise de comparação entre uma criança que possui os traços do autismo e uma que apresenta traços relacionados a outros transtornos; e a segunda, uma análise de observação em que se focou traçar um estilo de comportamento da criança em relação aos jogos apresentados. Os resultados dos testes mostraram que os infantes que apresentavam o autismo conseguiram realizar as atividades mesmo de formas diferentes, com sucesso. Os jogos prenderam sua atenção, de modo que apresentaram pequena evolução no aprendizado, sem demonstrar nenhum tipo de desconforto durante todo o processo de observação. As atividades produzidas serviram como um meio de comunicação entre o orientador dos jogos e criança e como forma de aprendizado por meio da diversão. O incentivo na realização dos jogos mostrou que pequenas ações podem ajudar uma criança a evoluir de forma positiva tanto individualmente quanto no coletivo.

Palavras-chave: Autismo, Jogos , Crianças