SAU137 - Pbioderm: plástico biodegradável bioativo como alternativa ecológica para curativos sintéticos - Fase II

Sub-categoria: Farmácia

Clique em Curtir até às 23h59 do dia 04 de abril de 2020 para votar em seu projeto favorito para o Prêmio Votação Popular na FEBRACE 2020. Os resultados serão divulgados aqui na FEBRACE Virtual.

Autoria: Fernanda Noschang da Rocha Colcete, Victória da Silva Panozzo

Orientação: Anelise Raddatz, Matheus Vicenzo Lehnen

Instituição: Instituição Evangélica de Novo Hamburgo

Resumo

(Ver pôster)

Problemas socioambientais identificados na fase I: 1. Descobertos há cerca de 20 anos, os bioplásticos ainda têm participação mínima no mercado internacional (RODRIGUES, 2015); 2. Pesquisa de bioplásticos direcionada majoritariamente a embalagens e canudos biodegradáveis; 3. Descarte inadequado de lixo hospitalar originário do grupo D (resíduos comuns), principalmente gazes e ataduras, considerando que não podem ser reciclados, segundo FERREIRA et al (1995); 4.Utilização demasiada de curativos da marca Band-Aid®, cujos compostos sintéticos (filme plástico, adesivo termoplástico, fibra sintética, polímeros de acrílico) apresentam malefícios ao ecossistema, segundo CUSSIOL et al (2005); 5. Uso de filme plástico tipo 3 em pós-tatuagens. Com este cenário, e considerando a hipótese de aplicação dermatológica para bioplásticos, foi desenvolvido, na fase I da pesquisa um biofilme a partir do método casting (MALI et al, 2010), que poderia ter uso dermatológico como um curativo natural em escoriações, cortes superficiais de pele, queimaduras leves e solares, pele pós-tatuada e pós-operatório de pequenas cirurgias cutâneas, sendo uma alternativa ecológica para curativos sintéticos, como os da marca Band-Aid®, ataduras, gases e filmes plásticos utilizados em pós-tatuagens, sendo desenvolvido de modo que possa ser auto-fixado na pele. Obteve-se os resultados de degradação em terra orgânica em 24 horas, degradação em água destilada em 12 dias, aprovação do uso das concentrações dos extratos glicólicos por bioquímico e biomédica, cálculo do custo de produção provisório (1cm² - R$0,026; 1m² - R$2,60). Na fase II, verificou-se a presença de pH ácido (3,69 – 3,82), espessura 0,54mm, inferior a 1 mm, ora de acordo com o estabelecido na norma D882 da American Society for Testing and Materials (ASTM) para biofilmes; análise TGA de estabilidade térmica, assim sabe-se seu comportamento frente a altas temperaturas do cotidiano e para futuras análises(ensaio cometa genotoxicidade).

Palavras-chave: Curativo, Bioplástico, Ecológico