Dicas para você
46628239765_287e75f60d_c

Dicas valiosas

Veja aqui algumas dicas para ajudar você a se dar melhor nas mais diversas situações e, principalmente, na hora de desenvolver e apresentar seu projeto.

Dicas de Comunicação Oral e Corporal

Sua fala transmite sua imagem – seus valores, crenças, ideologias, personalidade. Ela também transmite seu conhecimento, sua formação, sua organização e sua criatividade. O modo como você fala determina sua credibilidade diante do seu ouvinte.

Leia abaixo algumas dicas para melhorar sua linguagem, tanto a oral como a corporal. Essas dicas podem inspirar você a apresentar melhor seu projeto.

Linguagem e Autoconfiança

1) Organize seu discurso. O ouvinte precisa entender com facilidade a lógica da sua argumentação. 

2) Sua apresentação deve ser relevante, simples e ir direto ao que interessa. Evite rodeios. Tome cuidado com as ênfases. Não seja repetitivo.

3) Evite falar apressadamente. Essa é a tendência natural de pessoas ansiosas.

4) Para inspirar confiança, você deve ser confiante. Tenha convicção, energia e entusiasmo.

5) Recursos visuais podem ser explorados nas suas apresentações. Alguns exemplos de recursos são gráficos, tabelas, figuras e fotografias.

6) Evite falar como se estivesse escrevendo. A escrita exige mais atenção. Quando estamos ouvindo, não analisamos a estrutura da frase.

7) Use uma linguagem simples, direta, clara, dinâmica, persuasiva e sucinta.

8) Estruture a sua fala em torno de três ou quatro pontos principais.

9) Certifique-se de que as ideias principais fiquem claras para todos.

10) Use a primeira e a segunda pessoa (eu e você) e coloque os verbos na voz ativa.

11) Uma auto-imagem positiva é essencial para fazer boas apresentações. Tenha pensamentos positivos sobre a apresentação. 

12) Procure ter domínio no assunto e escolher as informações com técnica e método.

13) Mantenha o foco nas necessidades de informação do ouvinte. O que é interessante para ele? O que ele quer ouvir?

14) Evite frases e expressões consideradas clichês, assim como o gerundismo. Busque ter uma boa pronúncia.

15) Lembre-se que a inovação é fundamental. Crie formas diferentes de apresentar o seu projeto.

16) Não tenha medo do silêncio. Ele é útil para organizar ideias.

17) Procure colher o máximo de informações durante a conversa.

18) Faça as pessoas perceberem que você está atento aos sentimentos delas.

19) Quando for fazer perguntas, seja direto. Use perguntas que façam com que o ouvinte se sinta à vontade. Com o corpo, dê sinais de que está atento, como aprovar com a cabeça.

20) Faça afirmações que estimulem seu interlocutor a formular observações construtivas.

21) Ouça atentamente às observações passíveis de dúvidas e procure resolvê-las o quanto antes.

22) Atenda prontamente às solicitações. Se não for possível fazer isso na mesma hora, explique o porquê e defina quando será possível atendê-las.

23) Em caso de ouvintes de outras nacionalidades, estudar a cultura do país pode ser uma boa opção.

24) Enumere seus argumentos ao final de uma apresentação.

5 Dicas para um Jovem Cientista

Juntamos essas cinco dicas da Prof.ª Dr.ª Roseli de Deus Lopes para inspirar jovens que estão realizando um projeto ou qualquer pessoa que tenha vontade de realizar, mas não sabe por onde começar.

1) Uma parte importante da atividade do cientista é saber observar e identificar os problemas e necessidades. Um bom cientista deve estar atento à realidade que o cerca.

2) Nenhum pesquisador trabalha inteiramente sozinho, e nenhum aprende sozinho a pesquisar. A ajuda de colegas e a orientação de alguém mais experiente são fundamentais para a pesquisa e a formação do pesquisador.

3) Os cientistas também enfrentam dificuldades financeiras. Quando você não possui ou não pode adquirir todos os materiais para conduzir a pesquisa, tente procurar materiais alternativos que possam substituí-los. Essa solução pode ser inovadora.

4) O interesse pelo tema escolhido é importante. Tente usar a sua experiência e a criatividade não apenas na realização do trabalho de pesquisa, mas também na escolha do que pesquisar.

5) Não desanime se ao desenvolver seu projeto você chegar à conclusão de que a hipótese que você formulou não é válida. Mostrar que uma hipótese não é válida, ou que uma determinada estratégia não serve para validar ou não uma hipótese, também é um resultado importante.

Dicas de um Jovem Cientista para Jovens Cientistas

Essas são algumas dicas do jovem cientista Eraldo Souza dos Santos, finalista da FEBRACE 7 com o projeto “Alice transviada: a ciência e a epistemologia diante do aforismo do Gato Cheshire”, para todos os jovens cientistas que pretendem iniciar um projeto.

1) Sempre utilize a norma culta da língua, tanto nas partes escritas do trabalho, quanto na exposição oral. No primeiro caso, uma boa solução é pedir para alguém ler o texto e apontar os erros que encontrar (seu orientador, um professor de Português, um amigo, etc.). No segundo, é interessante treinar a apresentação oral, principalmente porque, em geral, não falamos formalmente. Lembre-se de evitar erros gramaticais (como colocação pronominal e concordância), gírias e erros na pronúncia das palavras.

2) Tente ser claro e objetivo ao máximo no seu trabalho, assim como na exposição. Mostre os principais pontos e encaminhe seus pensamentos em uma linha reta, para que o ouvinte ou leitor possa entender como o percurso desembocou no resultado.

3) O pôster também precisa ser claro, objetivo e sintético. Não há necessidade de apresentar todos os pontos do trabalho, só os principais. Muito texto dificulta a leitura (e também o pensamento). Atente também para questões de design – cores, tamanho da fonte, contraste com o fundo. O pôster é como a fachada do estande.

4) Existem regras para composição de uma monografia, que ditam as partes que ela deve conter e como deve ser sua formatação. Tudo isso é ditado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Desobedecer a essas regras é o erro mais recorrente nos trabalhos. Existem muitos tutoriais na Internet que ensinam essas regras e que podem te ajudar.

5) O registro no diário de bordo deve ser o mais completo possível. Diários com muitas fotos e registros em vídeo causam uma impressão muito boa nos avaliadores.

6) Cuidado no uso do método científico. Muitos trabalhos usam opiniões como se fossem saber científico ou manipulam e interpretam dados de maneira inadequada ou, muitas vezes, preconceituosa. Busque livros sobre o método. Muitas vezes queremos aprender ciência sem estudar a própria ciência. Esses são alguns bons livros, de fácil leitura: Convite à filosofia (M. Chauí), Filosofando (Aranha) e Como fazer uma tese (U. Eco).

7) Estude a história da Ciência, para entender qual é o papel do fazer científico na nossa sociedade e nas que nos precederam. Assim, você também vai compreender melhor em que ponto dessa história seu trabalho se insere.

8) A maioria dos avaliadores exige que o estudante conheça os estudos e os projetos que possuem o mesmo tema e/ou a mesma abordagem que o projeto sendo apresentado. Por isso, é importante ler os livros clássicos sobre o assunto que está sendo estudado, assim como os recentes estudos sobre o tema, que podem ser encontrados em revistas científicas. Pesquise e também peça ajuda ao seu orientador.

9) Trabalhos precisam de uma justificativa. E no mundo em que vivemos uma das justificativas consideradas mais dignas é buscar construir uma sociedade mais igualitária e ecologicamente correta. A própria FEBRACE apoia os Objetivos do Milênio. Pense nisso ao montar seu projeto.

10) Seu trabalho não pode estar escondido, deve ser divulgado. É possível que alguém na feira peça seu relatório para poder ler depois, e é desagradável recusar porque você teme que “roubem suas ideias”. Busque publicar em revistas científicas seus resultados e registrar seu trabalho na biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Isso te protegerá do plágio. Também tente patentear seu trabalho, quando for o caso.

11) Busque mostrar como seu trabalho se diferencia dos demais, ou seja, aponte em que sentido ele é criativo e inovador. Também deixe bem claro quais são as contribuições dele para o conjunto da ciência e para a continuação dos estudos na área.

12) Tente também planejar estratégias de prosseguimento para seu trabalho. Sua pesquisa não terminará na apresentação da FEBRACE. O que você pretende fazer depois que seu projeto for apresentado, criticado e elogiado? O que falta fazer no seu projeto para ele ficar mais completo? Quais são seus planos para o futuro? Exponha isso para os avaliadores e visitantes.